The Economic Consequences of Cognitive Dissonance

A apresentação do dia 23 de outubro se constituiu de um artigo escrito em 1982 pelo ganhador do Nobel de Economia em 2001, George Akerlof, conjuntamente com o professor da Universidade da California, William Dickens. O estudo modela microeconomicamente uma “anomalia” no comportamento psicológico do Homo Economicus: a dissonância cognitiva. Se trata da necessidade que o indivíduo tem de procurar coerência entre suas cognições (conhecimento, opiniões ou crenças); quando existe uma incoerência entre a atitude que o agente acredita ser a certa com o que realmente é praticado empiricamente ocorre a dita dissonância.

O modelo trabalha com dois setores, um com uma empresa “segura” e outro setor com uma indústria que oferece perigos ao trabalhador (lidando com produtos radioativos, por exemplo). A partir disso, somado a algumas premissas matemáticas e proposições, é demonstrado como os trabalhadores são “contaminados” pela dissonância cognitiva e a introdução de uma legislação de segurança é desejável, já que vai levar a um ótimo de Pareto para consumidores e produtores.

Ao fim do artigo algumas aplicações econômicas interessantes são propostas nas áreas de marketing e previdência social, além do impacto dessa anomalia nas fontes de inovação corporativa e em teorias econômicas do crime.

Apresentado por: Vittorio Maciel Leite

The Economic Consequences of Cognitive Dissonance – Vittorio Leite

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s